quarta-feira, 17 de agosto de 2011

O que vejo e oiço da minha janela

Olá,

Hoje quero falar-vos do que oiço e vejo da minha janela. Já vos disse que moro numa vila da linha do Estoril, a cerca de mil e tal metros da praia, talvez um pouco mais, sinceramente nunca medi!! Metade da minha casa e onde passo mais tempo, está virada a nascente e lá tenho o tal jardim que vos falei e que eu própria plantei, com excepção de alguns arbustos e uma lindíssima árvore, uma pimenteira, frondosa e que cai feito chorão, até quase ao chão, tão longos estão os seus ramos.
Por lá pululam passaritos de toda a espécie. Também não é para vós novidade que tenho insónias, já me queixei várias vezes. Ontem pelas dez e meia da noite, depois de ter tomado um chá bem forte de verbena, caía de sono e deitei-me pelas onze e pouco. Dormi de um tiro e pela primeira vez em mais de 48 horas sem sequer fechar os olhos. Sonhei e acordei ao som dos pássaros na árvore em frente a casa, eram cinco e vinte da manhã. Consegui dormir seis horas.
Levantei-me e abri as janelas da minha sala, da cozinha, do quarto não porque meu marido ainda dormia a sono solto.
Fiquei encantada, estava um melro e uma cotovia ao despique com um rouxinol.










Estes são habitantes da árvore em frente a minha casa, melros, cotovias, pintassilgos, pardais e pela imediações dos telhados, há pombos, rolas e andorinhas.
Hoje pelas cinco e tal da manhã, faziam um trinado de tal forma que o meu pequenino mandarim, pensou que o estivessem a chamar...os mandarins não cantam, fazem um trinado como os picapaus, e todos em conjunto cantaram para mim esta manhã.

Senti-me uma afortunada.

2 comentários:

vida disse...

que maravilha de lugar e estes visinhossão maravilhosos fem a vida ficar mais suave cheia de som e encanto,bjs amiga

Anónimo disse...

É, eles são encantadores e leais...estõ aqui todos os dias para me alegrar o dia e me acompanharem, apenas pedindo umas sementinhas em troca...